Desafio Literário 2014: #Item 4: Sangue Quente

16.4.14

Oi pessoal, hoje trago pra vocês mais uma resenha de uma leitora que está realizando o desafio literário aqui do blog, e como o prometido e mesmo atrasado estou postando a resenha dela, todo o texto a seguir é único e exclusivamente da Natália do blog Naty in Wonderland:

ITEM 4: Um livro com Adaptação para filme 

________________________________________________



Sangue Quente é aquele tipo de obra que deveria ficar somente no livro. Eu simplesmente não consegui assistir sua adaptação, que não desce e sim, é difícil de encarar. Não porque na época eu não queria ver spoilers, mas porque a coisa ficou feia demais, dando a parecer que foi algo feito de qualquer jeito. A adaptação é conhecida pelo nome "Meu Namorado é um Zumbi", onde as traduções não condizem com a tradução literal.
Em algum momento da história, os zumbis apareceram e agora o mundo está destruído. Os humanos normais fugiram para dentro dos enormes estádios de futebol e lá criaram suas pequenas comunidades. Mas nossa história é contada do ponto de vista de R, um zumbi que se arrasta como os outros, caça como os outros, come carne e cérebros (a mais fina iguaria) como os outros, mas que, às vezes, tem sonhos de como era ser humano, tenta se lembrar de sua vida anterior e filosofa sobre isso.



Um dia, em uma caçada, R encontra Julie e, no meio da carnificina, algo o impede de matá-la. Mas o que aconteceu? Será que ela era diferente? Serão Romeu e Julieta de um mundo pós-apocalíptico?

Sangue Quente - Isaac Marion - 256 páginas - LeYa Brasil

 O livro já consegue ser diferente logo no início. Em vez de vermos tudo através de um sobrevivente - como a maioria dos livros sobre o tema fazem -, aqui somos apresentados a R, nosso narrador e protagonista dessa história para lá de zumbizesca.

Estou morto, mas isso não é tão ruim. Aprendi a conviver com isso. Desculpe não me apresentar da forma correta, mas não tenho mais um nome." p.13

Como descrevi no texto do Li até a página 100 e... #13 Sangue Quente de Isaac Marion, o livro possui diversas partes mórbidas e até inteiramente entediantes, visto que até o momento que R vê Julie, sua vida ou morte é insignificante o suficiente para depois tomar forma e se transformar numa boa história. Não leiam o livro pensando no filme.
R é o zumbi protagonista dessa história e é impossível sentir raiva do pobre coitado, justamente por ser agora uma casca vazia, com pensamentos e quem sabe consciência, que tenta de alguma forma preencher o vazio de sua morte com as memórias de outras vidas. Isaac Marion não somente deu um significado para a preferência de cérebros por parte dos zumbis como também uma explicação lógica. Agora sabemos porque eles gritam "miolos".

Como o cérebro e, durante uns trinta segundos, passo a ter memórias. Flashes de desfiles, perfumes, música... vida. E então aquilo vai desaparecendo." p.18

Além de ser um zumbi, R poderia ser um filósofo de seus semelhantes. Afinal, ele filosofa sobre e morte e também o que um dia já foi a vida.
Vendo pelo lado de Isaac Marion, o autor trouxe para o livro sentimentos. Sentimentos estes destinados as crianças órfãs em abrigos que o autor conheceu enquanto trabalhou como supervisor de visitas em pais em orfanatos. É algo que está no livro, justamente pelo fato de as crianças presentes na obra serem órfãs, onde perderam seus pais em algum momento durante o aparecimento dos zumbis.
Aliás, não é nos dado nenhum tipo de informação sobre a época que o acorrido se passa, somente "em algum momento da história". Esse livro também pode ser classificado como distópico, por mostrar o futuro de um mundo infestado por zumbis e em como os vivos fizeram para sobreviver até então.
Sangue Quente é um livro que erroneamente você começa lendo como um pré-conceito já definido - justamente por causa de sua adaptação cinematográfica -, e termina com um conceito: não julgar o livro pelo filme. Algo como "não julgue um livro pela capa". Aliás, é um livro que fala - vendo em suas entrelinhas - sobre aceitação e a vontade de lugar contra algo, de fazer acontecer, mesmo que para isso você tenha que ficar contra aqueles que querem seu bem ou nesse caso seu mal.
O romance à lá Crepúsculo é uma coisa que somente acontece no clímax do livro, a chave principal da história e seu desfecho. Nada que implique na leitura - caso você odeie romances -.
Sangue Quente (Warm Bodies no original) foi publicado por aqui pela editora LeYa em 2011, tendo sido publicado originalmente em 2010. A tradução ficou a cargo do atual gerente de conteúdo da editora JBC, Cassius Medauar. Com relação a erros gramaticais, encontrei somente alguns poucos durante a leitura, mas nada que venha atrapalhar o entendimento da história.
Tirando o comentário de Stephenie Meyer na capa - que faz jus a um livro à lá Crepúsculo -, sua capa é bastante expressiva, com direito a relevo no título.
Ficou curioso? Deixe seu pré-conceito de lado e leio-o. A experiência de alguma forma será agradável.
____________________________________________
Gostaram da resenha da Natália? Confira no blog dela (AQUI)


You Might Also Like

4 comentários

  1. Gente, eu nem sabia que tinha livro desse filme! Mas se tivesse ouvido falar antes, com certeza teria gongado, pq o filme pé HORRÍVEL! huahauhaauhauh
    Mas lendo sua resenha achei que parece mesmo bem melhor q o filme....

    Beijooos

    subexplicado.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ah também achei bem interessante a resenha da Naty

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Very. Agradeço a oportunidade de ver minhas resenhas aqui. Logo, logo estarei postando mais uma resenha referente ao Desafio Literário!! ^^

    ResponderExcluir
  4. Faça isso mesmo Natália, fico feliz com a sua participação

    ResponderExcluir

Twitter

Google+

Estou Lendo